Crimes nos esportes: é possível acontecer?

Quando se pensa em esportes, os primeiros pensamentos associam a prática de exercícios físicos com um estilo de vida saudável, comportamento ético e visão de equipe. Porém, nem sempre é isso o observado em meio a campeonatos e outras ações envolvendo esportes, já que inúmeros crimes podem ser praticados neste âmbito.

Um dos primeiros exemplos que podemos citar para comentar crimes no ambiente esportivo é a compra de ingressos em representantes não-oficiais, os famosos cambistas. Esta prática, além de influenciar na tributação sobre o valor dos impostos, ainda estimula a prática de falsificações dos ingressos. Vale ressaltar que a prática de cambismo, por si só, também se configura como crime esportivo, onde, além da multa a ser determinada, é possível ainda a ocorrência de detenção aos cambistas.

Outro caso comumente observado (infelizmente) é a prática de tumulto e incitação de violência durante partida esportiva. Nestes casos, o Estatuto do Torcedor determina até mesmo a proibição do comparecimento da pessoa em eventos esportivos ou mesmo ao entorno do estádio, para evitar a reincidencia do delito.

Portar, em estádio, objeto que possa vir a ser utilizado como arma (já que armas de fogo e objetos perfuradores ou cortantes são proibidos em tais ambientes) é um crime passível de detenção por até dois anos e multa, já que nestes casos, os riscos e prejuizos vão além do dano individual (como acontece se caso você adquirir um ingresso falso).

Além dos crimes cometidos por torcedores, há ainda um que não envolve violência, mas com potencial destruidoramente danoso ao fair play: a corrupção. Caso seja comprovado que, em troca de alguma forma de benefício, houve o comprometimento do andamento de uma partida, ou mesmo que o resultado em questão não refletia o que deveria de fato ocorrer, o direito do esporte prevê multa e prisão dos condenados.